• TechDrop
  • Posts
  • 💧 Tiger Woods 💔 Nike: O Fim De Uma Era

💧 Tiger Woods 💔 Nike: O Fim De Uma Era

+ EVs no Brasil

Bom dia Droppers.

Hoje eu aprendi: que o prêmio individual da mega-sena da virada equivale a apenas 2 meses de salário do Neymar - que, por sinal, está lesionado e vai continuar ganhando durante os próximos 8 meses sem precisar jogar.

No drop de hoje, em 5 min e direto ao ponto:

  • Tiger Woods 💔 Nike: O Fim De Uma Era

  • Veículos Elétricos no Brasil: vai ou racha?

  • A Net Satélite do Musk: Starlink

Techdrop é a newsletter de tecnologia e negócios com notícias e análises inteligentes - sem ser chatas - direto ao ponto e direto no seu inbox.

Tiger Woods 💔 Nike: o fim de uma era.

nike, tiger woods, golf, patrocínio, esporte

via Nike IG

Vinte e sete anos de uma das parcerias mais icônicas e lucrativas do golfe moderno chega ao fim: Tiger Woods encerra seu contrato de patrocínio com a Nike.

O primeiro contrato entre eles foi quando Tiger tinha apenas 20 anos, tinha acabado de se tornar profissional, nenhum grande campeonato ganho e ainda longe de se tornar o maior de todos os tempos:

1996: contrato de 5 anos por U$40mi.
2001: contrato de 5 anos por U$100mi.
2006: contrato de 8 anos por U$160mi.
2013: contrato de 10 anos por U$200mi.

Desde o primeiro deal:

  • as ações da Nike valorizaram 1.800% (mais que o dobro da S&P 500).

  • Tiger Woods acumulou uma riqueza estimada de U$1.8 bilhões, entre premiações e patrocínios, entrando para o seleto clube dos atletas bilionários.

Vale lembrar que ambos decidiram abrir o relacionamento, uma vez que a Nike encerrou sua linha de produtos para Golf em 2016 e Tiger assinou com a TaylorMade Golf Clubs, Bridgestone, Rolex e Monster Energy.
E esta não deve ser a última tacada do astro, que já avisou que novidades estão por vir - será que ele vai dar uma de Federer, que ao encerrar com a Nike, foi para a Uniqlo e OnRunnig?

P.S.: assista aqui ao lendário comercial da Nike narrado pelo pai de Tiger.

Qual desses atletas acumulou a maior fortuna durante a vida?

Resposta ao final da news...

Login or Subscribe to participate in polls.

O que rolou mundo afora

  • Apple: já tem data de lançamento para seu primeiro novo grande produto desde 2015, o Vision Pro headset: em fevereiro.

  • Bitcoin: a SEC teve sua conta no X/Twitter hackeada e fez uma publicação dizendo que o ETF do BTC havia sido aprovado. O preço da moeda bateu alta história de 21 meses, antes da queda.

  • Carta: decidiu descontinuar sua linha de vendas de ações no mercado secundário ($370M ARR) depois da retaliação pública (que contamos na última edição).

  • Johnson & Johnson: pagará U$700mi para resolver alegações de que não alertou os consumidores sobre os riscos à saúde de seu talco para bebês.

Veículos Elétricos no Brasil: vai ou racha?

EV, veiculos elétricos, hibridos, tesla, byd

Quanto o assunto é veículos elétricos no Brasil, o que não falta é opinião: A máfia do petróleo jamais deixaria. Nosso país não tem infraestrutura. Como vão gerar energia para tudo isso. Carro a combustão jamais será substituído. Pq a esquerda. Pq a direita, mimimi… Então vamos aos fatos:

  • As vendas de veículos elétricos no Brasil superaram todas as expectativas e cresceram 91%, fechando o ano com 93.927 veículos.

  • Os modelos plug-in (recarga externa de bateria) assumiram a liderança e foram responsáveis por 56% das vendas, enquanto os modelos híbridos ficaram com 44%.

  • Os modelos mais vendidos foram: Corolla Cross (12.1k), Haval H6 (10.7k), Corolla (7.8k), Song Plus (7.6k), Dolphin (6.8k), Tiggo (4.6k).

  • As fabricantes que mais se deram bem: Toyota (21k), BYD (17.9k), CAOA Chery (11.8k), GWM (11.4k), Volvo (8.1k), BMW (4.4k).

A maioria desses ainda é importado e, provavelmente, serão afetados pelo reimposição do imposto de importação sobre veículos elétricos e aumento dos veículos híbridos. Mas isso não desanima a indústria, que projeta um crescimento de 60% para 2024!

Um mercado online que converte 300% a mais!

Apresentado por Faster

Frubana, a scale-up colombiana com forte atuação no Brasil, que conecta restaurantes à fornecedores de alimentos através de uma plataforma online, estava com um problemaço:

Os visitantes e leads até chegavam no app, mas poucos deles finalizavam o pedido. Foi então que a embarcaram na missão: aumentar as conversões.

A realidade? A dependência dos times locais a matriz colombiana para produção de criativos e adaptação das comunicações para o mercado local tomava muito tempo. O time levava 2 meses para receber uma nova peça.

O desafio? O único caminho para aumentar a conversão é testando. Para realizar otimização e testes A/B, é necessário velocidade de produção e personalização.

A solução? Um time de design por assinatura na Faster, que conheça o branding guide da marca, entenda suas necessidades de design, seja regional/nacional e tenha velocidade de produção sob demanda.

Os resultados? Aumento da capacidade produtiva, aumento dos testes A/B e.. aumento das taxas de conversão em 300%!

Não permita que o seu gargalo de crescimento seja sua capacidade, qualidade ou velocidade produtiva. Faz um teste com a Faster (assim como nós) e conta pra gente o que achou?

O que rolou Brasil adentro

  • ContaSimples, a fintech que oferece uma conta PJ com gestão de despesas, capta R$200mi em série B liderada pela Base10 Partners. #RecuperaVC

  • Deco.cx, o CMS brasileiro que quer desbancar o WordPress, capta rodada seed de U$2.2mi, liderada pela MAYA Capital.

  • Bulla, a fintech que oferece um cartão de crédito e benefícios flexíveis, capta rodada de R$75mi via FIDC.

  • Fluna, startup de hiperautomação e integração de processos, capta sua primeira rodada de R$2.5mi com a Hiker Ventures.

  • Ativy, o ecossistema de empresas tech de campinas, adquiriu o Jarbas, app de gestão de pequenos negócios, por valor não revelado.

starlink, space x, smartphones, internet, satélite

Toda vez que Musk abre um novo CNPJ, pode esperar algo em escala multiplanetária (sem exageros). Com a Starlink, a constelação de satélites provendo internet rápida a lugares remotos e/ou em movimento, não seria diferente. A aposta da vez: celulares!

SpaceX lançou um foguete (Rocket 9) na terça-feira 2, que carregava a primeira leva de satélites capazes de transmitir sinais de internet do espaço diretamente para smartphones, nomeada Direct-to-Cell.

A tecnologia promete entregar textos, voz e dados e começa em uma fase de testes com a T-Mobile nos EUA - mas já tem outras parcerias na fila: KDDI do Japão, Optus da Australia, One NZ da Nova Zelândia, Roger do Canada.

A net da Starlink já está disponível em boa parte do globo:

  • Fixed Site: em áreas remotas (países sem infra, fazendas, florestas).

  • Land Mobility: em movimento (caminhões, ambulâncias, trens).

  • Maritime: no oceano (cruzeiros, navios mercantes, energia off-shore)

  • Aviation: em aviões (Gulfstream, Bombardier);

  • Direct-to-Cell: em smartphones (começando com a T-Mobile)

A Starlink, que lançou seus primeiros satélites em 2019, projeta terminar este ano com receita na casa dos U$10bi - o que representa mais que 50% de toda receita da SpaceX, que está avaliada em U$150bi. Será que vem Spinoff + IPO da Starlink em 2024?

PS: assita aqui e aqui o vídeo do lançamento dos foguetes DTC da Starlink.

Contra dados não há argumentos

Stats do dia

A lista dos atletas profissionais por riqueza acumulada (2023):

1. Michael Jordan – $3 billion
2. Tiger Woods – $1.72 billion
3. Cristiano Ronaldo – $1.24 billion
4. Magic Johnson – $1.2 billion
5. Lionel Messi – $1.15 billion
6. Roger Federer – $1.09 billion
7. Floyd Mayweather – $1.08 billion
8. LeBron James – $1 billion

via Revolt.tv

Compartilhe o TechDrop e ganhe prêmios

Quanto mais compartilha, mais inteligentes ficam seus amigos e mais prêmios você ganha.

Você está com 0 indicações. Faltam 0 para ganhar a

O que achou da edição de hoje?

Login or Subscribe to participate in polls.

Join the conversation

or to participate.